Almar

 

 

 

Almar é um ser humano exatamente igual a todos os seres humanos.

Exceto naquilo que ele alterou em sua personalidade.

Porque ele pagou um preço por isso, preço que raras pessoas podem ou conseguem pagar.

Por isso todos os que se propõem a fazer a Obra, a terem os benefícios dessa obra, têm de pagar por isso, contribuir para a Obra.

Ele aprendeu, primeiro, a realidade. Aprendeu como era sua personalidade - e alterou-a.

Aprendeu sobre seus condicionamentos, apegos, e controlou-os, superou-os, comtrolou-os e os usa para si, eficientemente.

Unificou sua personalidade, transformando-a, de uma multidão de eus instáveis e conflitantes, desconhecidos uns dos outros - como são todas as outras pessoas - e aprendeu a identificar,  dirigir e controlar os novos eus que chegam - porque, não existindo o tempo absoluto, sempre e sempre surgem novos eus, em todas as pessoas.

Mas cada eu que surge é como que "recebido" pela personalidade, que o instrui, controla e dirige como desejar.

Descobriu que as personalidades constituem-se de entidades interiores paralelas e aprendeu a unificá-las e a manter sobre controle as que acreditou necessários, tudo servindo a si e aos objetivos da vida - viver para Nihil.

Desligou-se de seua apegos, a maioria deles instituída pelo estabelecido, pelo social e assim libertou-se de tudo isso - e assim hoje talvez seja o único homem realmente livre do universo.

Aprendeu sobre a escala, que rege tudo no universo, e aprendeu a controlar as escalas que lhe são imediatas e intessantes.

Aprendeu a conhecer a si e suas potencialidades, sua história de retorno e a usar isso em sua vida.

Aprendeu a ter consciência e por isso a controlar a identificação, de modo a não mais mergulhar no diálogo interior, não adormecer enquanto anda, fala, dirige - vive em si - as outras pessoas andam automaticamente, falam falas pré-programadas, adormecem o tempo todo, imersas no diálogo interior.

A partir dessas realizações e descobertas, estruturou o sistema vivencial que agora divulga, que chamou de Sofia do Paradoxo - sofia em vez de filosofia, porque filosofia significa a busca de verdade, mas sofia é a própria verdade - se bem que as pessoas, no máximo, conseguem, quando o conseguem, apenas a realidade - o que as faz muito poderosas, principalmente usando a Almar, na Reprogramação, n´O SELF.

Codificou o Conhecimento que, de alguma forma é milenar (há indícios de que Ram-la em Num Ky, há quase 11.000 anos conhecia algo desse conhecimento, assim como Sargão I, o rei guerreiro da mesopotâmia, há 6.000 anos, assim  como outros mais tarde, como Assaf, na palestina, Orestes em Roma, Giordano Bruno e Madeleine, no século XIX (algumas dessas personagens são históricas, outra não).

Depois de muito trabalho sobre si mesmo, conseguiu lembrar-se de fatos de sua duradoura existência sobre a face da terra e vem divulgando isso, no que interesse a uma pessoa para unificar-se e realizar os objetivos pelos quais foram criados os seres humanos.

Assim, estruturou o sistema. Definiu  O SELF, o novo (mas muito antigo) paradigna, o Paradigma Real, em contraponto ao paradigma de metafísica ocidental, o paradigma positivo, materialista, objetivo, coletivista, reinante em praticamente todo o mundo, mantido pelas quatro principais instituições do paradigma objetivo coletivista materialista, o estado, a ciência acadêmica positivista oficial, a igreja hierárquica congregacional objetiva, o social - o estabelecido, o conjunto de leis e conceitos não escritos no qual um pobre ser humano é imerso desde o nascimento e no qual charfunda até a morte, no paradigma objetivo materialista - o mundo da família, dos grupos sociais de amigos, da escola, dos partidos, escolas de samba, patotinhas da esquina, gangues, sexo, ideologias coletivas, formas de governo coletivas, etc - quem vem mantendo escravos os humanos há onze mil anos.

Mas, apesar disso tudo e mesmo a partir da própria filosofia (!) do sistema, jamais foi um revolucionário, no sentido de tentar subverter a sociedade, alterá-la, vencê-la - apenas ensina esse conhecimento aos que o desejam, realizando técnicas do sistema para que pessoas possam alterar suas vidas - para melhor, mas a partir de si mesmas - não dele.

Assim que teve a maior parte do ssitema em suas mãos, começou uma pesquisa de campo (cujos documentos estão guardados com ele) em busca de testar em muitos sujeitos os conteúdos que descobrira e concluiu que, todas as vezes que alguém contactava seu interior (100% de incidências) sempre havia uma resposta, conforme a intensidade de participação e de persistência do sujeito.

Em dado momento da pesquisa, ficou claro que, tudo sendo programações (a escala é a programação, basicamente), essas programações poderiam ser estudadas e, por assim dizer, "lidas".

Como as antigas usavam as estruturas naturais escalares descobertas, ficou claro que usando essas mancias racionalmente poderiam ser excelentes mecanismos paara se estudas as condições atuais dos universos paralelos, em suma, ler as programações. Por isso formas alteradas e atualizadas dessas mancias são usadas ainda em suas formas ou transformadas em programas de computador e  usadas, inclusive, na internet. São a Leituras de Pogramação de O SELF.

As leituras de programação são úteis nas consultas de Reprogramaçãom Quântica, em consultório, para se ter uma idpeia razoável de como está o unvierso paralelo da pessoa, assim como o melhjor a fazer. Descobertos os caminbhos, basta realziar o processo de reprogramaç~çao,  buscnado fazer a pessoa contacar o itnerior e assim alterar sua programaç~çeo ou seja, seu universo paralelo.

Se a pessoa realizar a quantidade de reprogramações ou cotactos com o itnerior suficientes paera convencer o itnerior a agir, normalmente a alteeração da programação e assim a alteração do universo apralelo e muita vezes mesmo do unvierso coletivo pode ser feita, teoricametne sem limites.

Foram testadas as técnicas de leitura de programação - antigas mancias não necessariamente adaptadas às caracterísiticas da realidade, mas desvendadas suas reais origens - como, por exemplo o tarot: as 22 cartas do tarot são simbolismos representativos da Escala Universal, subjacente a todos os fenômenos e todos os seres, em suma, que rege todas as pessoas, suas vidas. O I-Ching usa a Escala de 64 Notas, para ler a progamação interior de uma pessoa. Os búzios africanos usam a escala de 16 notas para ler as programações.

Algumas dessas mancias usam a telecinésia para serem realizadas (as jogadas das cartas do taarot, ou modernamente a função pseudo-aleatória do computador), a maioria necessita da telepatia para a interpreração dos resultados e a maioria usa a percepção extra-sensorial para se chegar aos resultados, que servem para ter-sem uma boa noção de como está o universo paralelo ( a vida da pessoa) naquele momento específico, para saber-se como agir. A quirologia, usada com bom sendo, assim como a astrologia se for usada como sistema analógico de estudo de uma programação humana podem ser muito úteis, assim como a própria escala, considerada sideralmente ou pessoalmente, pode levar a resultados surpreendetes e espetaculares. A pesquisa de campo mostrou a realidade desses métodos de estudo das programações humanas.

Outro campo muito interessante foi o das ondas de forma.

A pesquisa mostrou que, pensando trasnscendentalmente, todos os seres, porque campos, e porque os campos emitem ondas, tudo emite o que chamamos, copiando os radiestesistas franceses, de ondas de forma.

Ondas de forma porque todos os seres (que os franceses consideraram "formas") emitem essas ondas.

A pesquisa mostrou que essas ondas intrerferem nos seres que assim influenciam-se uns aos outros, numa rede, como dizem mesmo os radiestesistas frandesdes, conpensando-se, mantendo, melhor dizendo, um sistema integrado, ecológico, de ajuste e controle natural entrer todos os seres.

Um posuitivista teimosamente objetivo diria que isso aconteceria automaticament, mas, transcendentalmetne falando, a teia de campos e de odnas de forma são a maneira de Nihil, ou o SUT, conforme se queira, controlar e estruurar a terceira dimensao, o Unvierso Coeltivo - e mesmo o unvierso paralelo.

Se bem que o fenôeno de ondas de forma atenha-se ao mundo analogico (porque a peqsuisa mostrou que hpa quatro n´puives da trealidae, o /Seidral o Macro, o tômico ou Micro, o Analógico oun objetivo, e o Digital oui Interior.)

As ondas de  cosntituem elemento do nível anmalógico, assim como a escala, a estrurura da parsonalidade, os eus são ienrentes ao nível digital. O fenômeno de aproveitamente dos campos da personalidade é um fenômeno do npivel sideral ou macro.

As ondas de forma, assim, trabalhando-se purametne n nivel analógico, são realidades que podems er trabalhadas, se entendermos que a percepção delas tem de ser feita através da sensibilidade co corpo do ser humano ( e de animais,e tc) as máquina naturais de percepç~çao dessas ondas.

Os pêndulos são recursos milenares de verificação dessas ondas (a rabdomancia há séculos vem trabalhando isso, para deseepsero dos céticos e positivistas) assim como pendulos (medidores de ondas) pirâmides (concentraqdores e emissores) e gráficos (emissores, concentradotre,s tec) vem sendo usados desde a suméria, pelos egópcios, pelos celtas e pela igreja.

É verdade que o positivismo aristotélico e grego, em geral, herdado pelos romanos e asumido pelos positivistas da ciênci pisitivistra que surge a partir do renascimento (movimento purametne objeivo, "pagão", racionaliseta - não confundir mcom racional!), apesar de um Da Vinci e de um Giordano que, alias, foi morto na fogueira - o que para um homem que aprendera a controlar a dor deve ter sido apenas um incômodo rápido - esqeuceu todos esses mecaniosmo, mas isso não signifiac que a pesauisa atual tendo-os encotnrado, não só em termos de pesquisa de cmapo, como de pesquisa histporida e arquelógica, não os use.

Assim, io sistems incorporou o pêndulo, modenizdo pelo chip do copmputador (a função akleatória do computador, semelhando-se ao aleat´prio do p^Çenduo, pde mais facilemtne ser influenciado pela metne humana que leu os campos e ondas - tanto quem as mancias, tator, búzioas, I-Ching usam essa função no computador) asumiu as obndas de forma, (aidna que tamb´pem use o coputadaor, as calculadores, quase que em substituição às pirâmices e gráficos (para mudar om mundo objetivo

Por isso, gráficos, antigfos (cruz ansata,  alfabeto hebreuk súnico, eetc) e modernos são suados pelos sisetma

A pesquisa descobriu que a efici^Çencia dos "traqbnalhos" das religiões afro braskieora, longe de agirem sobre entidfades desencarnada ou deuses afircan na verdad era formidáveis emissores de ondas de form,a e por isso, descoebrta sua ação foram incorpiorados pelo sietem aocmo os processos de odnas d forma POF) qyue almar realzia em cosnsultraio

Assim como a pesaquisa mostoru que cristas, por tererm a propeiedade pizoelétrica, a mesmo da pirâmide, podem servir como emissoares, como retentoras de dados (o que mais faz o chiop do computrado, nada mais que bilhões de criatsis que isso -e por isso alar oa usa!)

A grande rede de computdotres a iterne, é uma mecaniosmo natural paera uso das mentes na emissão de campo e vem sendo suadom poer Almar.

Tudo isso apareceu na pesaquisa, foi posto em pr[ática, primeiro com almar e depois com mjutos sujeitos e até hjoje  faz parte da pesaquiza.

Acima de tudo, testou todas as hipóteses em si mesmo, todos os processos e o resultado foi sua brutal alteração.

Daquele ser que abaixo é descrito, surgiu o homem de poder de hoje - Almar foi o primeiro sucesso do sistema, seu primeiro e vencedor usuário.

Seu raciocínio foi simples: se funcionou com ele, pode funcionar com  qualquer um que de esforce como ele se esforçou, ressalvadas as diferenças pessoais, claro.

As técnicas, a Repeogramação, etc, são fruto de experiências, primeieram,ente, feitas com ele mesmo, depois com grande quantidade de sujeirois - até hoje a pesquisa continua, como o sistema não é comercial e nem fechado, todo novo participante é um sujeito de pesquisa e cada novo resultado é acrescentado ao rol de sucessos.

Almar não faz como muitos pesquisadores que pesquisaram outros e não a si. Almar usou a si mesmo como seu priemrio sujeito e foi por isso que teve a coragem de levar seus resultados a todas as otursa pessoas, porque a Reprogramação é uma tecnic maravilhsoa que pode ser usada por qualer pessoa.

Uma técncia abrangente que pode agor em todas as áreas da vida humana, seja no corpo (doenças, deformidades, beleza, etc) seja na mente (inadaptações, temores, etc) seja na vida em si, nas realizações, na vida social, conjugal , financeira, econômica, jur´piica, em toas as áreas da vida humana, porque a reprogramação parte do pricípio de que o mundo, seja em relação a pessoa ou ao ambine em que ela viva, é controlado por seu itnerio, mo que faz que os resutladoa não tenahm limites.

Por isso, inclusive, a propaganda fo sistema fala em poder total sem limites.

Na pesquisa de campo a reprogramação pessoal (sequência de processos didáticos - que ensinam a realidade - de transformação pessoal paulatina, em geral feita coletivamente, como numa sala de ajula), a reprogramação quântica (assim chamada porque seu principal objetivo é alterar o quadro quântico seguinte, a acontecer no universo paralelo da pessoa, no "filme de sua vida", no qual a pessoa passa a ser diretor, produtor, editor), então, jamais apresentou uma incidência de fracasso, ratificando os 100% de resultados positivos de outros testes.

Na pesquisa foram testados métodos antigos muito usados pelos sistema religiosos afro-brasileiros e semitas antigos, de organizar-se estruturas objetivas, arranjos materiais de objetos, vegetais, minerais e animais, gases, álcoois, para tanto se criar atmosferas sugestivas quando se emitir campos determinados a alterar outros campos, ondas de forma destinadas a alterar a realidade do universo dessa pessoa ou de outera ou do universo coletivo que aqui foram chjamados de processos de onda de forma (POF), usados em casos extremos. Foram testados processos coletivos simbólicos (rituais e cerimônias que afetam psicologicamente e permitem alcancar-se níveis muito profundos da personalidade, conseguindo-se assim resultados jamais cosneguidos de outra maneira - e que por isso são usados abundamtemente pelas religiões, exércitos, ideologias, governos, etc, somente que aqui são feitos conscientemente pelos interessados, sem mistérios e sempre com a plena consciência do que desesja. Esses processos mostaram uma eficiência à toda a prova. Por isso são utilizados até hoje,. com enorme sucesso.

A pesquisa, na verdade, nunca se encerrou. Até hoje todos os processos em desenvolvimento vêm sendo observados, assim como seus sujeitos, alterações constatemente vêm sendo feitas, os processos sempre se aperfeiçoam sem, no entretanto, o cerno do sistema jamais ser alterado, porque, sendo a descrição da realidade, impossível de ser alterado - diferente da ciência acadêmica que, por ser aberta, não possui cerne algum e em que a discórdia e a incoerência é a norma.

Embora o sistema tenha sido traçado a partir da pesquisa interior em relação a Almar e a outras pessoas, outros sujeitos, jamais foi idiossincrático, sempre a pesquisa buscou encontrar  a universalização dos conceitos nos diversos sujeitos, provando que a realidade transcendental pode ser tão real e não pessoal - ou mais - que a pesquisa positiva. Jamais Almar participou de "revelações"  dadas pos espíritos ou vozes, jamais teve entidades superiores, mentores, guias espirituais. A constatação da realidade de Nihil jamais significou aprender a partir desse encontro, mas à descoberta de que se tem cosnciência exatamente para que Nihil pudesse ser consciente através dele, Almar e não o contrário.

Claro, isso subverte todos os conceitos teocráticos e filosóficos de todo o mundo. Descobrir-se que é Deus que depende da personalidade e não o contrário, acaba, por exemplo com o Mito da Providência Divina, do Deus onipotene, onipresente e onisciente - Nihil só cosnegue ter cosnciência través dee uma personalidae,a tarvés de eum cérebeo no mundo objetivo - e da criação em si do mundo objetivo, claro, de uma pessoa, de uma personalidade.

(Se você ficou indignado a respeito disso, pensa no Tsunami da Ásia em 2004, nos 60.000.000 de mortos da segunda guerra mundial, etc.)

Assim, a única maneira de descobrir-se a verdade é através da realidade objetiva, ainda que, paradoxalmente, a realidade objetiva seja uma ilusão necessária à ilusão da vida - mas que seja o único, lugar onde se possa existir, onde Nihil, pode existir, sempre através de uma personalidade, mais como puro espírito, alma, etc.

Nihl só consegue existir através de um ser objetivo, de uma consciência que viva no mundo objetivo no Universo Paralelo. Mas somente tem consciência plena quando esse ser tem cosnciência plena - e a pesquisa mostrou que os seres humanos possuem baixíssima consciência, além do fato de não terem praticamente conhecimento algum da realidade, como se pode cosntatar apenas lendo esse site, se se entender seu conteúdo - os condicionamentos da pessoas geralmente impedem-nas de sequer entender o que aqui está.

O OBRA

Desde certo momento da pesquisa. Almar começou a divulgar didaticamente o realidade. Em primeiro lugar em palestras e cursos em diversos colégios e faculdades, mas, depois, em locais por ele alugados, em Campo Grande (1982) Santa Cruz (1985) Paciência (1988), Santa Cruz (1992) Pedra de Guaratiba (1996) Sepetiba (1997) Sata Cruz (1998) Pedra de Guaratiba (1998) Catete e Botafogo (2000) Santa Cruz (2001) Senador Camará (2002) Pedra de Guaratiba (2002) Senador Camará (2003) e Campo Grande (2004).

Nesses locais criou processos didáticos-simbólicos de transformação sistem´patica pessoal coletiva (Reprogramação Pessoal, a "aula" do sistema) processos didáticos de transformação invidual em consultório - a Reprogramação Quântica (a "consulta individual"  do sistema). Como as pessoas precisavam de processos sistemáticos simbólicos, criou estruturas simbólicas de otimização e harmonização, transformação e controle dos Universos Paralelos, através do uso de processos coletivos, hoje conhecido como Sanctur Magister. Instituiu a noção de Egrégora (processo parapsicológico classificado como fenômeno kappa (coletivo), de Mente do Sistema.

O Mito dos Sentidos

Durante a pesquisa, apareceu a constatação de que a problemática do mundo objetivo esetá em que as pessoas não vivem a realidade. Platão, há milênios, no Mito da Caverna, retrata essa realidade, mas nesses milênios os seres humanos insistem em continuar a viver as sombras.

Almar instituiu a noção de Mito dos Sentidos, o Mito em que os seres humanos vivem, todos - e por isso são tão confusos, mentem, fraudam, matem-se em guerras fratricidas, revolulções idiotas que instalam novos ditadores, guerrilhas destrutivas de países, religiões que trucidam inocentes pela glória de Deus, filhos quem matam pais e pais quie matam filhos, guerras nacionais, crime organizado e desorganizado, a droga tomou conta do mundo, os estados escravizam os contribuintes, destroem-nos, a ciência mata com a talidomida, com os hosmônios mortais, com a infecção hospitalar e o erro médido, Chenobil, a indústria acabando com o planeta pela poluição que provoca o esfeito estufa, o buraco da camada de ozônio, que mata por câncer, desarranja o ssitema imunológico, cega as pessoas (enquanto no Brasil a maioria dos imbecis anda semi-nuas pelas ruas e praias, alegremente mostrando seus cânceres e horrores físicos.

O Mito é a crença que as pessoas têm no que seus olhos, ouvidos, tato, etc. mostram, mito porque as pessoas consideram verdade essas mentiras dadas pelos órgãos dos sentidos, interpretados pela mente, desde muito cedo, ensinado pelos pais e pelos sociais como a realidade - mas NÃO É!

Pode-se perceber, imediatamente, que há um mundo de ondas no ambiente que uma pessoa está que não percebem, como as ondas de rádio, tv, radar, ondas de calor, raios cósmicos, gama, ondas de forma, que existem e ninguém vê, mas influencia a vida. Sem falar no ar, na verdade uma mistura de gases que envolve e que nunca percebemos. As próprias "coisas" que acreditamos nos cercar são apenas iluoriamente reais, um pedaço de madeira é basicamente espaço vazio, na medida em que os átomos que o compôem são 99% espaço vazio - mas o tato mostra a "solidez"  de um pedaço de madeira.

Mas a realidade profunda é que o universo que pensamos exisir exteriormente à nossa percepção, na verdade é uma construção interior que fazemos dos eventuais contactos com outras diversificações do SUT, com os outros universos paralelos, que interpretamos como pessoas, animais e coisas - mas são apenas dados do universo paralelo de cada um.

Entretanto as pessoas vivem como se só houvesse o que enxergam (e adqjuirem cânceres, enlouquecem, com os raios que nãio vêem), como se o ar fosse sempre respirável (e morrem), como se o pedaço de madeira fosse "sólido"  e... tudo existisse for a de nós, quando NÃO EXISTE UM FORA!

Mas a realidade é diferente!

C laro, um mundo que vive o Mito dos Sentidos somente poderia ser assim. E é.

Um dos objetivos do trabalho de Almar é exatamente ensinar que as pessoas vivem o mito dos sentidos e ensinar, cuiar, dirigir como se pode sair dele e se passar a viver a realidade - esse um dos principais objetivos do sistema.

Estude-o e venha pera ArtWorkld, para a Casa do Almar, alterar sua vida - para melhor, sair do mito dos sentidos, e aprender a viver a relidade - cosia rara.

A INFÂNCIA

Almar foi um bebê diferente.Desde vedo interferia incosncientemente, parapsicologicamente no mundo em que vivia.

Aos dois anos, no colo de sua mãe, quase foi atropelado por um louco bêbado que, numa rua em obras, tomou do volante de um veículo, seu habilitação e sem saber dirigir e arremeteu sobre saus pais. Levado ao médido, constatada fratura de crânio, o médico receitou um analgésico, desiteressadamente. Já nessa época, Almar curou-se - mas o louco morreu meses depois - e o médico também...

Até os seis anos Almar não entendia direito que pessoas eram aquelas que o cercavam - ainda lhe parecuia viver na suméria, nas areias da pelestina. Sua mãe objetiva desse atual retorno conta que se lembra que ele falava de Prsc-La e de Ram-la e ela nada entendia.

Aos cinco para seis anos, ao entrar num quarto da Rua Abade Ramos, Jardim Botânico, Rio, fechado no escuro silencioso do quatro, teve seu peimeiro insigth como Almar. Mergulhou em si mesmo, cada vez mais fundo, soube-se o universo, e depois... Nihil.

Aquele garoto que já era diferente, mais diferente ficou. Sabia-se de outro lugar, que sabia mais que os outros - e começou a  ensinar à sua bisavó, a única pessoa que tinha tempo para ouvir um menino de seis anos ensinar a realidade...!  E passou a vida toda ensinando, desde os dez anos em aulas particulares, mas a vida toda a todos os que se descuidassem e e parssem em sua frent - e o faz até hoje, como sempre com baixos reaultados o proque a maioria da pessoas é complelmaente louca, totalmente ssurda e cega.

Estudou na escolinha de seus pais, desterrados para Senador Camará no fim da década de 40 até a quinta série, que, porque a escola dos pais era ilegal, teve de fazer na escola pública do local, onde descobriu que as outras crianças, diferntes dele - que era um antigo ser, eram pequenos animais estúpidos e totalmente selvagens, brutais feras perigosas.

Claro, teve de aprender a lidar com feras e aprender a reperesentar quie era uma fera, como so outros. Mas continuou sendo um poeta, a escrever textos, a pintar, criar música, arte. E a buscar sua realidade, que deveria ser realizar nesse retorno, como Almar.

Seu pai contava sobre sua descendência dos Gomes de Matos, família de 400 anos no Brasil. Hoje, sabe que é descendente de D.Diniz, Rei de Portugal, parente de Pdero Álvares Cabral, de José de Alencar, de Meton de Alencar, de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Seu irmão, Augusto, foi o iniciador da regressão hipnótica, seguido pela filha de Augusto (sua sobrinha Maria Lídia) no caqmpo da parapsicologia, ciência que pesquisou a vida toda e que utiliza largamente em seu trabalho - apesar do total desprezo da ciência acadêmica;

Quando seu pai morre, em 1956, em vez de assumir-se dependente de sua mãe e continuar a ser um menino mimado, decidiu entrar para o mercado de trabalho com 13 anos e mais uma vez descobriu, nos locais de trabalho, como os seres humanos eram animais ferozes - e  mais uma vez teve de travestir-se de fera para não ser comido (literalemente) pelas feras - papel que compriu muito bem.

Almar, então, aquele menino diferente, que sabia ter um passado além de seu nascimento, que sabia que sabia mais que os outros, teve de mergulhar no mundo, tornar-se um louco junto aos loucos, não apenas para sobreviver - ele poderia ter evitado isso - mas para saber o que era a realidade dos homens (aos dezoito anos, por exemplo, na porta do quartel, com os papéis prontos para ser considerdo arrimo de família e ser dispensado do serviço militar, optou por servir - e aprender. Muitas vezes fez a opção de mergulhar no mundo.

Almar passou fome, foi operário, viajou em porta e engate de trem superlotado, jogou futebol em campos no meio de favelas, viveu dentro da miséria, conviveu com marginais no Morro da Mangueira, em Camará, foi office-boy, escrioturário. Aos 16 anos era um adolescente magérrimo, desdentado, paupérrimo, sem pai, vestido de trapos (em 1958, trabalhando na firma S.S. Swartz, seu segundo emprego (o primeito for a de entregador de uma tinturaria clandestina, num barraco  m onde o lavador tirava água de um poço para lavar as roupas) seu sapato furou e, como não tinha dinheiro, aos sábados arranjava caixas de sapato nas sapatarias e fazia palmilhas, que desmontavam por volta do primeiro dia (seu trbalho era andas nas ruas da cidadde) e ele assim aprendeu como havia pontas de cigarro acesas nas

cidade do Rio de \Ja\neiro... Como sua marmira invariavelmetne apodrecia, por pena dele, o velho Shwatz (que o xingfva em ídiche quando ele errar - e errava muit, aos 145 anos!), dava a ele 20 cruzerios que vavam para compra uma média e uj pão com  manteira e, mais trade, comprar um paizoho de minoto qu eera saboreado pedacinho por pedacinho, quando partia para /campjk Grandm,e estudar o primeirog reau, no ?col´perio Campo Grande,. Fez  a ouitava séria ( auarta s´perie do ginário, naquele tempo) quatro zecvz, por total impossibilidade de pagar e estudar, até que, an queta vez, foi "passado" pelo saudoso Douiota Boaventuad, diretos do cope que penalizado, o foi bsucar em casa e o aprovou na marra. ESsa grand ehomem morreu desprezaso pelos grande de Campo Grande e até hoje ´pe ignorado. Foi discriminado (um menino lourinho num mundo de morenos e mulatos era um marciano!), por sua diferença pessoal (física e psicológica) foi discriminado, teve todos os apelidos possíveis (rato branco, sputinik, cientista maluco e o mais odioso de todos, "Fu" - surgido da estupidez humana. De 12 aos 30 anos, Almar foi considerado pelo mundo o resto dos restos.

Almar ´pode falar pelos pobres e miseráveis e pode arigma que qualeur um que esteja na mais terr´viel miséria pode dela sari, se o dseajr porque ela o fez, e piro, depois d euam queda da qual raros se levantam.

se ele fez, qualquer um pode, mas terá de apgar o memo preçio qeu ele pagou.

Almar tem uma genealogia impressionante, um curr~iculo formidáveç mas tger umahistpira de pobreaz, miserai e abandono, desprezo, que venceu.

Quando pôde, entrou para o magistério, lecionando língua, literatura e arte, o que lhe permitia ser menos fera, embora no estado, por causa das greves e da enorme manifestação ideológica, teve de manter-se em guerra total contra a maioria dos professores - com algumas baixas (mortes) entre seus inimigos, claro...

Até que, pelos meados da década de 70, na sala de professores do antigo Curso Líder, em Campo Grande, ao ver num quadro de giz a equação "E=MC2", novamente, mergulhou em si mesmo - e tudo retornou. A fera que existia, criada para sobreviver, novamente deu lugar ao retornado, ao enviado. E lembrou-se de quem era. E recomeçou a pesquisa, não só de processos parapsicológicos e filosóficos, um pouco descritos nessa págima, mas aprofundados nos livros do sistema, começou a lembrar-se de Ram-la, de Sargão, etc.

Embora sempre soubesse que fazia o que quisessse, até então semrpe considerara-se apeans um sujeito de sorte que faziam o que desejava, por mais absurdo que fosse (na formatura, como professor, em 1973, formou-se em dezemnro de 1973 e, desse período até março de 1974 (três meses, colou grau, conseguiu o histórico escolar, o diploma (que foi a Brasília e voltou nesse curso espaço de tempo), inscreveu-se no concurso para professor do estado, passou, foi convocado, tomou posse e começou a lecionar no Instituto de Educação Sarah Kibitschech EM TRÊS MESES, algo totalmente impossível até hoje. Ah, e a vaga no Sarah era disputadíssima entre a maioria dos professores de Campo Gradme e ele conguiu ali duas matículas onde leleciou ou até 2004, quando aposentou-se, em fim de carreira, sem uma falta, durante todo o tempo. A partir desse momento começou a percebr seu próprio poder, explicado pela própria teoria - mas na prática, sempre é supreendente quando se influencia a mente de um motorista de ônibus de um assaltante, ou se muda o tempo, etc. quando se altera a realidade como se fosse mágica - sempre é poesia pura...

PRISCILLA

Muito jovem Almar sonhava com uma pessoa que viria, que ele conehcera "antes". E a imaginava alta, magra, cabelos castanhos lisos encaracolados, olhos negros... mas inteligente, conhecendo tudo o que ele conhecia... ele sonhava com Prsc-Lá, com Schub-Ad, com Judite.

Mas ela só chega em 1995. Chega para apenas ser uma nova aluna e futura colaboradora direta, o que acaba sendo.

Hoje constituem o EUNO, a "dupla de um", o "um"  dos "muitos"  que podem "ser Nihil"  - e fazem a obra juntos.

Não se pode falar muito a respeito disso, num site como esse, mas você poderá conhecer e trabalhar com ele a Obra, na Casa do Almar, na Rua do Ouro.

ArtWorld

Almar sonha ArtWorld, a nova Shan-gri-lá.

O mundo das pessoas que vivem o Mito dos Sentidosé um mundo louco, desesperado. Mas ArtWorld sereá diferente.

Um mundo onde as pessoas serão diferentes dos loucos identificados que hoje constituem a humanidade desarvorada e poluente, destrutiva, dos 6.000.000.000 de gentios que destroem alegremente o planeta e matam-se uns aos outros, felizes e contentes, sob a égide de igrejas, deusas de quatro braços destrutivas e más, mortos em pedaços de madeira que salvam mundos que contiuam se destruindo, estados que permitem que seus membros sejam escravizados pelos criminssos e que os escravizam economôica e policialmente, ciências que matam mais que curam - quando curam - um mundo das trevas, onde só há dor e ranger de dentes.

Mas ArtWorld será um mundo onde as pessoas vivem para o Deus dentro delas, nunca identificadas, que façam de suas vida Arte e por isso ArtWorld

A Casa de Almar tem essa finalidade, filtrar esses privilegiados que têm de relecionar-se a si mesmo (por isso, entre muitas outras coisas, O SELF é a Objetivo e Selação para e Liberdade e Fraternidade). Lá, a muito custo, trabalho, penas, enormes dificuldades, trabalham sobre si mesmos, alterando-se a buscando serem seres dignos de viverem para o Deus dentro de si -e por isso são perfeitamente saudáveis, prósperos alegres, absurdamente felizes porque cumprem o objetivgo pelo qual são criados

ArtWorld não tem guerras, crimes, não há polícia, todos são livres, há individuidade, beleza, confiança. Não há fraudes, mentira, engano, hipocrisia.

É um mundo perfeito.

Mas tem de ser criado esoisticametne - e esse o problema!

ARTES PLÁSTICAS

A Arte faz parte da vida de Almar, que se saiba desde a mais terra infância. Aos quatro anos, desenhava com as primeiras canetas esferográficas que apareceram noBrasil, "roubadas"  das secretárias, no Curso Matos, de seu pai.

Aos dez anos, ganhou uma aquarela quando começou a pintar as paisagensde Bangu, vistas da janela - e quando fez seu primeiro poema:

"A tarde finda.

Num morro distante, ve-se uma queimada

E, numa despedida linda,

A tarde parece chorar.

Aos seus ninhos,

Em bandos barulhentos,

As doces andorinhas

Retornam em bando,

Assim anunciando,

O alvocrecer"

(O Alvorecer, Bangu, 1953)

Criou a técnica "entalhe pirografado"

Criou vários estilos em óleo, grafite, aquarela.

Criou vários estilos de escultura em assemblage.

Criou os "refazentes"

Invendou os "clones"  e os "digitais", que você pode ver nesse site.

Sua obra não é comercial.

Não estão a venda.

Seus quadros, criados a partir do Centro Sentimental (em termos de mundo objetivo material, poderia-se dizer, "criados intuitivamente" - mas isso não seria totalmente verdade!) de tal forma que são emissores de ondas de forma, e por isso tendem a harmonizar os ambientes onde estão a harmonizar os campos das personalidade que por ali convivem - e por isso não podem ter preço comercial, mas discípulos e participantes, eventualmente, podem ter desses quadros mas seus quadros, esculturas, desenhos e gravuras,m não estão no mercado.

Almar continua pintando, porque, quando pinta, altera o universo coletivo, apenas por criar arte- seja figurativamente em abstrato, etc.

O TRABALHO

Para ganhar a vida, antes de ser professor Almar passou por um rol de atividades e empregos (você pode ser uma noção, lendo a Biografia

Nesses trabalhos pôde estudar a natureza humana, como Cabo do Exército Btrasileiro em 1962, bancário, vendedor, técnico de máquinas, contabilista, etc.

O ESTUDO

Almar lteve - e leu - uma biblioteca de mais de 20.000 volumes (que doou, por falta de espaço) - e continua lendo.

Fez inúmeros cursos, em diversas áreas, de artes, filosofia, parapsicologia, letras, etc, como se pode ver na Biografia

Almar continua a estudar, semrpe e sempre. Leitor viciado, inveterado, ssmpre aconselha a todos a melhor coisa do mundo, em termos objetivos: ler, ler, ler, ler, e... ler.

FUTURE MUSIC

A vida é escalar, assim a vida é cor, som, música, escala

Criar música, fruir música, sempre foi uma constante em Almar.

Mas Almar jamais "engoliu" a música oficial, porque intuia se artificial.

Até que, durante a pesquisa, surgiu a Future Music, por volta da década de 70, mais ou menos contemporânea ao segundo insigth.

A Future Music é a música do futuro, a música sem teoria, pura, que nasce e morre, e que pode ser feita por qualquer pessoa que consiga contactar seu interior.

A Future Music não é para ser levara comercialmente ao grande público (Almar não está interessado em ser um artista de palco) mas, como a Future Music hamoniza aos que participam da apresentação ao vivo, os discípulos e participantes eventualmente podem participar de apresentações de Almar em uma das Casas do Almar.

POESIA

A poesia é a escala lingística.

Foi a poesia que tirou a espécie humana das cavernas, se considerarmos a lenda histórica absoluta.

FORMATOS

A Teoria dos Formatos fecha a discussão sobre a Arte.

Arte é o que um ser humano, coloca no mundo objetivo, a partir de um FORMATO.

Um Formato é um "projeto interior", visual ou não,  que uma pessoa faz, como interpretação interior de Nihil, que de alguma forma, em geral inconscientemente, fez num insight percebido ou não.

Se a obra tem um Formato subjacente, o espectador, por sua vez, cria um Formato seu e a ponte Nihil -artista - fruidor - Nihil está estabelecida e tem-se uma obra prima.

CONHECER ALMAR

A única maneira da conhecer, de verdade, um pouco mais de Almar e ir a uma das Casas de Almar e ouvi-lo, aprender com ele.

Faça isso... enquanto pode!